Terca-Feira, 07 de Dezembro de 2021

Pandemia faz saltar para 28,2% o número de domicílios do Tocantins atendidos por programas sociais




COMPARTILHE

Divulgada na última sexta-feira, 19, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD 2020) mostra que a proporção de domicílios com pessoas recebendo programas sociais saltou de 0,5% para 28,2%, no Tocantins.

Os dados também mostram a diminuição no índice de Gini, que mede a desigualdade econômica. Conforme o órgão, este cenário é explicado pelo pagamento do auxílio emergencial, criado pelo governo federal devido à pandemia da Covid-19.

Na PNAD, o auxílio emergencial entrou na rubrica de “outros rendimentos”, que engloba aqueles provenientes de programas sociais, aplicações financeiras, seguro-desemprego, seguro-defeso, entre outros. No País, a proporção de domicílios com pessoas recebendo outros programas sociais passou de 0,7%, para 23,7%, aumentando em todas as regiões, sobretudo no Norte (0,5% para 32,2%) e Nordeste (0,8% para 34,0%).

No Tocantins, cerca de 144 mil domicílios estavam recebendo outros programas sociais, no ano passado. Em 2019, eram apenas 3 mil unidades. A pesquisa mostra que, por outro lado, caiu a proporção de domicílios que recebiam o Bolsa Família: de 107 mil domicílios (20,8%), para 65 mil (12,7%).

Já o total de moradias que recebiam Benefício de Prestação Continuada (BPC-LOAS), destinado às pessoas com deficiência e aos idosos que não têm meios para se sustentar, caiu de 20 mil (3,9%) para 17 mil (3,3%), no período.

De acordo com a analista da pesquisa, Alessandra Scalioni, a redução de domicílios no programa Bolsa Família se deve à migração de parte dos beneficiários para o auxílio emergencial. “Se um beneficiário do Bolsa Família recebia um valor menor do que Auxílio Emergencial, ele passava a receber esse auxílio. Então, houve uma migração de pessoas que recebiam Bolsa Família para a rubrica do Auxílio Emergencial”, explicou.

Cerca de 913 mil tocantinenses, ou 57,9% da população, tinham algum tipo de rendimento em 2020, subdivididos da seguinte forma: renda de trabalho (37,5% da população); outros rendimentos (15,6%); aposentadoria e pensão (10,9%), pensão alimentícia, doação ou mesada (1,5%), aluguel e arrendamento (1,2%). Em 2019, a população residente com rendimento era de 915 mil (58,7%).

O número de pessoas com outros rendimentos – o que inclui programas sociais – saltou de 142 mil em 2019 para 246 mil (de 9,1% para 15,6% da população) em 2020, enquanto o de pessoas com rendimento de trabalho caiu de 639 mil para 592 mil (de 41% para 37,5% da população).

Esta queda está relacionada à redução da população ocupada, em 2020. Além disso, o grupo dos outros rendimentos superou o das pessoas que recebiam aposentadoria e pensão (172 mil ou 10,9%). Desde 2017, o número de aposentados e pensionistas era superior.

Renda média -  O rendimento médio real de todas as fontes dos tocantinenses aumentou 2,9%, passando de R$1.712 em 2019, para R$ 1.762 em 2020. O maior valor estava no Distrito Federal (R$3.974) e o menor, no Maranhão (R$1.270). O Tocantins registrou o 15º maior rendimento médio do País e o 3º entre os estados do Norte.

Ao contrário do que aconteceu no cenário nacional, o rendimento médio mensal domiciliar per capita dos tocantinenses cresceu 1,5% em 2020, chegando a R$1.019. Na média Brasil houve queda de 3,4%. Em contrapartida, o rendimento per capita nos domicílios que recebiam outros programas sociais aumentou no país (12,2%) e caiu no Estado (-2,6%), passando de R$721 para R$702.

Desigualdade econômica -  O índice de Gini, que mede concentração de renda e desigualdade econômica, passou de 0,530, em 2019, para 0,485, em 2020. Essa foi a maior queda da série histórica do indicador. Tocantins ficou com o 13º menor índice nacionalmente e com o 3º no regional.  “Houve uma piora do mercado de trabalho. Muita gente perdeu ocupação, mas o Auxílio Emergencial segurou quem tinha rendas domiciliares menores. Isso tornou a distribuição de renda do país menos desigual”, concluiu a analista.


Autor:AMZ Noticias com Cleber Toledo


COMENTÁRIOS:
O AMZ Noticias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - AMZ NOTÍCIAS Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Amz Notícias